Por motivos de configurações ou incompatibilidade técnica, este navegador não suporta criação de Cookies. Sem este recurso as funcionalidades Sociais e de Colaboração estarão indisponíveis. Para usufruir de todas as funcionalidades da Plataforma Cocriando atualize seu navegador ou faça download de um navegador diferente.

Perfil

Renato Antunes dos Santos

demasiadamente humano. um eterno aprendiz

  • CIDADE Guarapuava
  • ESTADO PR
  • INSTITUIÇÃO Unicentro - PR
  • FACEBOOK facebook.com/santreertnas
  • LINKEDIN

    https://www.linkedin.com/in/renato-antunes-dos-santos-30868a

  • INTERESSES planejamento, pesquisa, projetos, marketing digital, cultura, mídia

Ideias

Viva Sua Beleza Viva

sobre a beleza que transcende aos corpos

Sobre um novo jeito de olhar
Houve um tempo em que eu me via como que na obrigação de ter tudo sob controle, planejar cada minuto do meu tempo, ter tudo sempre organizado; eu queria mudar as coisas e as pessoas. Me vi refém de mim mesmo, refém de pensamentos; um prato cheio para a ansiedade. Quando dei por mim, o que encontrei? um ser solitário, sem amigos; apenas mais uma peça à disposição de uma máquina. Ao perceber-me corpo, vivo, orgânico, parte, passei a rever meus conceitos, me despi de toda vaidade. Me encontrei.
Respire, nada está sob controle, passou a ser um de meus lemas. Aquele que noutrora se via refém, passou a se sentir parte, sujeito-corpo integrado.
Foi nas práticas de Ioga que eu descobri o quanto a respiração é uma parte fundamental de nossas jornadas - achei isso incrível. Sentimo-nos inteiros/as ao respirar (considerar uma respiração dita completa; composta por respiração, retenção e inspiração) . Foi aí que minha jornada pela beleza teve início.
O olhar “reto” de mundo já não me cabe mais. Com um olhar sensível e microscópico aos outros jeitos de olhar, pareço enxergar melhor; há empatia e profundidade na forma como observo. Não por pouco, a jornada me parece mais leve, mais bela.

Sobre o que é/está beleza pra mim | Um jeito de viver a jornada
Fico emocionado ao ver um casal de idosos a andar de mãos dadas por uma praça. Aquilo pra mim é belo. Lá está a beleza; não nos corpos, mas naquele gesto, naquele sentimento. A beleza deles é como que um manifesto, sobretudo se considerarmos esse multiverso de relações efêmeras no qual estamos inseridos.
Beleza pra mim é aquela coisa (des)contida, afinal ela não está estática ou inserida num patamar de conceitos binários e/ou dicotômicos; ela (a beleza) está viva, é orgânica; a beleza está por toda parte.
E por assim estar, vejo a beleza, tal como vejo a meditação. Você não vai meditar, você está meditando - o tempo todo. A beleza não é; a beleza está.
A beleza é essa coisa da jornada - é nela que eu vejo a beleza.

Quando a beleza é manifesta em minha jornada
Toda vez que viajo, a beleza torna-se evidente em minha jornada, ela parece mais viva.
Moro em Guarapuava, minha mãe em Dois Vizinhos. Em função da rotina corrida, acabamos nos vendo poucas vezes ao longo do ano - no máximo duas ou três vezes.
Toda vez que vou ao encontro dela, ou mesmo quando ela vem até mim, a beleza é manifesta. Manifesta naquele abraço demorado, naquela conversa franca. A beleza está manifesta quando ela pára pra ouvir meus planos de futuro e, com seu jeito humilde, fala rindo - eu vou ter de viver mais alguns anos pra ver tudo isso. Rimos os dois.
Em minha última viagem à Curitiba, a beleza se fez viva. Ela mostrou-se viva durante uma curta caminhada pela Rua XV de Novembro. Aquelas várias pessoas, aqueles vários corpos de passagem, as infinitas histórias, as mil jornadas. Andar por aquelas ruas, ver, ouvir, sentir os cheiros, contemplar, sentir-se parte. É nisso que a beleza mostra-se viva.
Ao viajar de ônibus, adoro sentar no banco próximo da janela, pois gosto de apreciar as paisagens. O céu de mil e uma cores, as nuvens a mudar de formas, os cenários que mudam o tempo todo. Nada passa despercebido.

A beleza que eu sinto quando diante da tela
Apaixonado por cinema que sou, não poderia deixar de falar a respeito de dois filmes que marcaram - e muito - minha jornada. Um deles é “Que horas ela volta”. Deste, as cenas mais marcantes são aquelas em que a personagem de Regina Casé está a estender roupas, e por um momento pára. Uma luz incrível reflete nela. Aquilo é belo; mexe demais comigo. A beleza também se faz viva quando ela entra na piscina vazia da casa dos patrões. Aquela subversão, a transgressão - a dita “empregada” na piscina dos patrões. Aquilo me colocou em estado de êxtase. Outro filme incrível é o Céu de Suely. Aquela coisa visceral, crua, a vida simples, a jornada, o amor. A beleza reside no Céu de Suely. Céu que é beleza pura.

gratidão (: